AMERICAN FILM MARKET : O que rola na maior feira de cinema do planeta?

Todo ano em Los Angeles (mais precisamente na divisa entre as charmosíssimas praias de Santa Monica e Venice) acontece o concorrido American Film Market, ou simplesmente AFM. Considerado o mais importante evento do gênero em todo o mundo, o AFM reúne em pouco mais de uma semana literalmente milhares de vendedores e compradores de filmes oriundos dos quatro cantos do planeta, e dinheiro – muito dinheiro! – troca de mãos em negócios e “deals” de distribuição milionários! Mas antes de discutir os detalhes do AFM, é importante saber distinguir a diferença entre um “festival” de cinema e um “mercado” de cinema.

FESTIVAL  Vs. MERCADO

Tipicamente, um “festival” de cinema é um evento onde diversos filmes são exibidos seguindo o formato de uma mostra – que pode ou não ser competitiva e proporcionar premiações à diversas categorias como melhor filme, melhor direção, prêmio do júri popular etc. Via de regra, a principal função (e propósito) dos festivais é gerar mídia e atenção junto ao público, crítica e imprensa para os filmes selecionados. Outra função um pouco mais sofisticada é aquilo que na indústria chamamos de “gerar pedigree” para o filme. Explicando: mesmo que não receba prêmios nem “vença” festivais, o simples fato de ser oficialmente selecionado ou convidado faz com que o filme fique automaticamente mais atraente aos olhos de distribuidores, veículos de comunicação e grande público. Alguns festivais, no entanto, são raras exceções e, além de cumprirem as funções acima, também servem como plataforma para compra, venda e negociação (distribuição) de filmes, garantindo contratos para exibição em salas de cinema, canais de televisão ou streaming na internet. Os casos mais notáveis de festivais que atuam dessa forma incluem o Sundance Film Festival, Festival de Cannes, Berlin / Berlinale, Toronto Film Festival, Tribeca Film Festival e South By Southwest.

Já os “mercados”, diferentemente dos festivais, não possuem como função premiar filmes nem agregar valor ou pedigree. Semelhante ao funcionamento de uma feira de negócios, os mercados são eventos destinados única e exclusivamente à negócios e transações financeiras envolvendo direitos de exibição/veiculação dos filmes. Com pequenas variações e diferenças, essencialmente um mercado é composto por centenas de escritórios (ou booths/stands) de empresas que representam catálogos inteiros de filmes (como, por exemplo, os sales agents) além de empresas interessadas em adquirir (comprar) conteúdo. Os catálogos de filmes são extremamente variados no que toca gênero, estilo e qualidade. É possível encontrar desde filmes obscuros de horror (os chamados filmes “B” ou trash) oriundos do Japão, Thailândia e Polônia, até densos dramas protagonizados por Cate Blanchet ou o retorno triunfal de Harvey Keitel (como é o caso do belíssimo filme Youth, presente no AFM deste ano), passando por documentários ou fitas de ação de heróis dos anos 80 que continuam na ativa fazendo filmes para um público mais reduzido (se eu tiver pessoalmente visto dez pôsteres diferentes de filmes estrelando Steven Seagal este ano no AFM, acreditem, é pouco!). E para onde vão todos esses filmes? Serão todos exibidos em salas de cinema? Não! Não há salas o suficiente para tantos filmes. Aliás, a maioria dos filmes disponibilizados nos mercados não passa nem perto do circuito de salas de cinema – quase todos são vendidos para plataformas de streaming ou aluguel via internet (desde os gigantes Netflix, Amazon Prime, Hulu etc até canais menores de youtube e vimeo inseridos no mercado de aluguel), plataformas de Video On Demand (VOD) como a NET NOW no Brazil, canais fechados (cable) de televisão, canais abertos além de veículos mais “exóticos” para o público leigo como exibição em linhas aéreas, escolas, presídios, órgãos governamentais etc. Consequentemente, além dos “vendedores” de filmes que vão aos mercados com seus enormes catálogos, há também representantes de absolutamente TODAS essas plataformas de exibição – os “compradores”. Representantes de canais de televisão aberta do Egito, plataformas de internet do Japão, canais à cabo do Inglaterra e linhas aéreas do oriente médio! Filmes de todos os estilos, gêneros e orçamentos para atender compradores representam os mais variados públicos, gostos e culturas!

Finalmente, além das reuniões e encontros destinados exclusivamente à negociação de títulos e direitos, a AFM também promove um ciclo de palestras bastante relevantes para profissionais do audiovisual. Alguns “gigantes”  da indústria comparecem ao AFM todas as manhãs para debates acalorados com direito à interação com o público! Mas não espere encontrar celebridades ou carinhas conhecidas do grande público – os que ministram ou mediam esses debates e palestras são justamente aqueles que ficam secretamente por trás das câmeras ou em seus luxuosos escritórios definindo através de contratos e projetos milionários todo o futuro – e presente – da indústria audiovisual. Zero glamour. Puro business (eu sei, para os cineastas, artistas e realizadores como eu, esse cenário não é dos mais encorajadores, mas é necessário compreendê-lo se quisermos jogar esse jogo!)

Tristan e Amanda

TRISTAN ARONOVICH e AMANDA MAYA são atores e cineastas premiados internacionalmente. Um de seus filmes mais recentes, “Alguém Qualquer”, foi finalista para representar o Brasil no Oscar® 2016. Suas produções foram compradas e exibidas pela SONY, FOX, FX, WARNER, PARAMOUNT, TURNER, PRIME BOX BRAZIL dentre outros. Atualmente residem em Los Angeles e dirigem o Latin American Film Institute (LAFilm).

Website: http://www.cinemapro.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *